Asteroide em rota de colisão

Por que não se preocupar com o asteroide que passará 'perto' da terra em abril

Liliane Nakagawa 05/03/2020 14h03
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Apesar de pertencer a uma classe de objetos chamados NEOs, o alarme em relação à possibilidade do Asteroide 1998 OR2 se colidir com a Terra é exagerado

Por Marcelo Zurita*


Desde que nossos telescópios começaram a descobrir uma enorme quantidade de asteroides próximos à Terra, percebemos o quão vulnerável estamos em nosso cantinho do Sistema Solar. Especialmente nas últimas décadas quando a tecnologia, cada vez mais avançada, tem nos permitindo enxergar asteroides de poucos metros de diâmetro se aproximando da Terra.

Reprodução

Entretanto, a mais nova preocupação que veio do espaço e atingiu em cheio os portais de notícia de todo o mundo foi o Asteroide 52768 (ou 1998 OR2), de corpo gigantesco, que foi descoberto em 1998, mas que não deveria ser fonte de preocupação, o que explicaremos a seguir.

Reprodução

De fato, o Asteroide 52768 pertence a uma classe de objetos chamados de NEOs, ou seja, objetos próximos à Terra, e ainda é classificado também como PHA, um asteroide potencialmente perigoso. Pela definição da União Astronômica Internacional (IAU), devem ser classificados como PHA todos os objetos que se aproximem da Terra a menos que 7,5 milhões de Km e que tenham potencial para causar danos regionais significativos em caso de impacto, o que ocorre com asteroides maiores que 140 metros. 

Reprodução

O Asteroide 52768 recebe a designação de PHA porque pode se aproximar a cerca de dois milhões de quilômetros da Terra e além disso, possui um diâmetro estimado em três quilômetros, o que poderia causar um evento semelhante à extinção dos dinossauros em caso de impacto. Mas sabemos que isso não vai acontecer.

Reprodução

Asteroides potencialmente perigosos precisam ser monitorados constantemente para que possamos perceber qualquer alteração em sua órbita que possa representar algum risco de impacto no futuro. Mas é só isso. Ser classificado como PHA não significa que o objeto pode se chocar com a Terra a qualquer momento.

No caso do Asteroide 52768, ele já tem uma órbita bem determinada e é certo que sua aproximação da Terra em 29 de abril será a mais de 6 milhões de quilômetros de distância. Muita gente acha que "em distâncias astronômicas, 6 milhões é muito próximo". De fato, seria muito próximo se estivéssemos falando de uma estrela ou de um planeta. No caso de um asteroide, mesmo com 3 quilômetros de diâmetro, é uma distância enorme. Se fôssemos considerar 6 milhões de quilômetros próximo, teríamos que considerar que a Lua, que é bem maior e está a menos de 400 mil quilômetros de distância, está "raspando a Terra". E teríamos que considerar também que passou perto aquele pênalti do Baggio na final de 1994 ou aquele do Elano nas quartas-de-final da Copa América de 2011.

Para medir o risco de impacto de um asteroide com a Terra, existem as escalas de classificação de risco, e nas escalas de Turim e de Palermo (as escalas utilizadas pela IAU), o Asteroide 52768 sequer possui classificação, o que significa que a chance dele impactar a Terra no próximo século, é zero.

Ok, você está quase convencido que o 52768 não vai impactar a Terra, mas há algum problema em se preocupar com ele? Na prática, não. Desde que você não doe seus bens, rasgue suas roupas e saia pelas ruas anunciando que o fim do mundo está próximo, não há problema em se preocupar com algo que não vai acontecer. A não ser pelo fato que talvez você esteja desperdiçando sua preocupação com o asteroide errado, e não com aquele que irá de fato atingir a Terra e trazer problemas para a humanidade.

Que asteroide é esse? Ninguém sabe. É um asteroide que ainda precisamos descobrir e para isso, precisamos de muitas observações e muito trabalho de conscientização para convencer as autoridades a investir mais nessa ciência. Precisamos descobrir o asteroide antes que ele encontre a gente. Falando nisso, você já ouviu falar do Asteroid Day?

Com informações de AstroNeos/Apolo11/CNEOS/MPC

Marcelo Zurita é presidente da Associação Paraibana de Astronomia, membro da SAB - Sociedade Astronômica Brasileira e diretor técnico da Bramon - Rede Brasileira de Observação de Meteoros

Ciência Asteroide Ciência&Espaço
Compartilhe com seus seguidores
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você