Covid-19_teste

Novo teste de Covid-19 do Einstein amplia em 16 vezes capacidade de testagem

Renato Santino 21/05/2020 16h55
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Técnica utiliza a genética do vírus para sua detecção e sem risco de falsos-positivos, segundo o Hospital

O Hospital Israelita Albert Einstein, de São Paulo, anunciou que conseguiu desenvolver um nova forma de testar e diagnosticar para Covid-19, que pode aliviar o gargalo de testagem no país. A técnica, que utiliza a genética, tem a vantagem de conseguir processar mais de 1.500 amostras simultaneamente, acelerando o procedimento em até 16 vezes na comparação com o teste RT-PCR, considerado o "padrão-ouro".


A tecnologia foi patenteada pelo hospital privado no Sistema Internacional de Patentes dos Estados Unidos, mas não deve ser exclusiva. A ideia é licenciá-la para outros laboratórios e para o governo federal para que o país inteiro possa fazer uso do sistema para ampliar a capacidade de testes do país.

Em relação a preços, o Einstein estima que ele não deve custar mais do que o exame RT-PCR, que hoje custa por volta de R$ 250 em vários laboratórios. O valor, no entanto, ainda não está definido.

Para desenvolver este sistema, o hospital adaptou uma outra tecnologia utilizada para detectar doenças a partir da leitura de DNA. Como o vírus contém apenas RNA em seu material genético, foi necessário ajustar o sistema para a realidade do Sars-Cov-2, o causador da Covid-19.

Por detectar diretamente o código genético do vírus, o hospital diz que essa técnica é 100% livre de falsos-positivos. Isso significa que ele nunca vai diagnosticar alguém como portadora do coronavírus por engano. Como o RT-PCR, a técnica também é capaz de detectar a infecção desde o primeiro dia, mas não serve para diagnóstico retroativo, para quem desconfia que em algum momento pode ter contraído o vírus, mas que já não mais o tem no organismo.

A coleta de amostra também é similar à do RT-PCR, colocando o swab (equipamento que parece um cotonete mais comprido) em uma das narinas até o contato com a nasofaringe do paciente. Depois, ele é tratado com um procedimento desenvolvido pelo Einstein e processado em uma plataforma chamada Varstation, também proprietária, que será fornecida a quem adquirir a tecnologia.

O Einstein diz que hoje é capaz de fazer 96 diagnósticos por dia utilizando a técnica RT-PCR, mas que pode chegar à marca de 1.536 ao dia com o novo método. Isso elevaria a escala de testagem semanal para 24 mil.

A empresa diz que pode começar a utilizar a tecnologia para diagnosticar pacientes já a partir do começo de junho.


Confira em tempo real a COVID-19 no Brasil:



coronavirus covid19
Compartilhe com seus seguidores
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você