Coronavírus

Seis mitos sobre o novo coronavírus

Guilherme Preta, editado por Liliane Nakagawa 17/03/2020 13h45
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Vários métodos alternativos para combater a doença pipocam na internet, mas nem todos possuem fundamento

Sempre que o mundo vive situações como a atual pandemia de Covid-19, diversos métodos alternativos de combate passam a circular na internet. Muitos desses não possuem nenhum fundamento científico por trás, o que acaba prejudicando ainda mais o cenário. Para ajudar no combate aos mitos que circulam pela rede, desmitificamos seis deles sobre o novo coronavírus.


1. Se conseguir prender a respiração por 10 segundos, não está infectado pelo vírus

A ideia por trás desse mito é que 50% das vítimas de Covid-19 acabam contraindo fibrose pulmonar. Essa postagem afirma que aquele que se conseguir prender a respiração por 10 segundos sem ficar ofegante depois significa que não possui a fibrose pulmonar, o que diminuiria as chances de estar infectado pelo coronavírus também. Apesar de realmente poder causar fibrose, prender a respiração não é um teste adequado. Para um diagnóstico real, é necessário passar por diversos exames.

2. Água potável elimina o vírus da boca

Uma publicação na internet afirma que beber água a cada 15 minutos é capaz de eliminar o vírus da boca levando-o ao estômago. Outro post afirma que é possível eliminar o coronavírus ao fazer gargarejo com água morna e sal ou vinagre. Porém, apesar de ser de extrema importância se manter hidratado para combater a Covid-19, a OMS afirma que não há evidências de que água potável possa proteger as pessoas do vírus. Da mesma forma, gargarejar com água salgada ou vinagre também não possui efetividade comprovada.

3. Clima quente elimina o vírus

Desde o início da epidemia, diversas vezes foi mencionado que o clima quente poderia ajudar no combate da doença. Apesar disso, a Organização Mundial da Saúde afirma que o coronavírus pode ser transmitido em qualquer área do mundo, incluindo regiões com clima quente. Ainda não se sabe se o vírus é sazonal como o da gripe comum.

4. Uso de máscaras protege contra o coronavírus

Desde que a doença começou a se espalhar, as pessoas correram para as lojas para comprar máscaras cirúrgicas. A ideia é que o uso do equipamento evitaria que o vírus atingisse as vias respiratórias. Porém, a verdade é que essas máscaras comuns apenas evitam que as gotículas de tosse ou espirro atinjam outra pessoa ou superfície, não bloqueando a entrada do vírus. O único modelo que realmente filtra o vírus é o respirador N95, mas só é recomendado para aqueles que testaram positivo para Covid-19 ou que ainda aguardam exame.

5. Alho e ervas curam e protegem da doença

O mito afirma que o alho, por estimular o sistema imunológico, pode ajudar na prevenção da doença. Para isso, a postagem alega que se deve ferver o alho e beber a água. Outras, dizem que o chá de ervas é capaz de proteger as crianças do coronavírus. Embora o alho seja realmente bom para o sistema imunológico, ele não é totalmente eficaz contra a infecção. O mesmo vale para o chá de ervas.

6. Pulverizar álcool ou alvejante pelo corpo protege do vírus

Após as lojas ficarem sem álcool em gel, as pessoas começaram a afirmar que pulverizar álcool e outros desinfetantes em seus próprios corpos e roupas. A OMS afirma que, além de não proteger contra o coronavírus, aplicar alvejante ou álcool no corpo prejudica as mucosas. A ingestão desses produtos também não protege as pessoas, além de causar sérios problemas de saúde.

Via: CNET


Confira em tempo real a COVID-19 no Brasil:



Saúde proteção OMS coronavirus
Compartilhe com seus seguidores
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você