Segurança

Mark Zuckerberg privacidade

Diretor do FBI diz que Facebook pode se tornar paraíso de pedófilos

Renato Santino 04/10/2019 17h30
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Christopher Wray ataca iniciativa de criptografia de Mark Zuckerberg, que dificultaria investigações policiais

O plano do Facebook de unificar chats de seus aplicativos com criptografia forte de ponta a ponta anunciado por Mark Zuckerberg durante a F8 deste ano já começou a enfrentar resistência. A empresa se tornou alvo de declarações do diretor do FBI Christopher Wray, alegando que a medida seria “um sonho que vira realidade para predadores e pornógrafos infantis”.


A declaração ecoa uma preocupação comum das autoridades pelo mundo quando o tema da criptografia forte começa a ganhar força envolvendo serviços de internet populares. No caso do Facebook, Wray afirma que o plano criaria “um espaço sem lei criado não pelo povo americano nem seus representantes, mas pelos donos de uma grande companhia”, como informa a agência Reuters.

A preocupação é simples: a criptografia de ponta a ponta como existe no WhatsApp e pode começar a existir no Facebook Messenger e no Instagram Direct com a união dos serviços faz com que os dados sejam cifrados durante todo seu trajeto entre o celular do remetente e o do destinatário. Na prática, mesmo que uma mensagem, foto, vídeo ou qualquer outro conteúdo seja armazenado no servidor do Facebook, a empresa não seria capaz de compreender o conteúdo, e o mesmo vale para as autoridades, que costumam defender que sejam implementadas ferramentas para que seja possível quebrar a criptografia para acessar o conteúdo.

“Nós vamos perder a capacidade de encontrar crianças que precisam ser resgatadas. Vamos perder a capacidade de encontrar os ‘caras maus’”, afirmou Wray.

Ele mencionou a discrepância na forma como a Apple, que utiliza criptografia de ponta a ponta no seu aplicativo de mensagens, e o Facebook agem. Enquanto a Apple ofereceu informações a autoridades relativas a casos de abuso infantil apenas 43 vezes, o Facebook o fez mais de 16 milhões de vezes.

Vale notar, no entanto, que esse assunto não é tão simples. Autoridades costumam defender a implementação de uma “porta dos fundos” na criptografia, que permita a decodificação das mensagens, usando sempre a justificativa o combate a crimes graves como pedofilia e terrorismo, mas uma porta aberta “para o bem” também é uma porta aberta “para o mal”.

Não há como garantir que cibercriminosos não descubram a brecha para interceptar mensagens de pessoas inocentes, o que pode ser usado para descobrir informações sensíveis como endereço, números telefônicos, informações bancárias, fotos pessoais, dados de amigos e familiares e muitas outras coisas que podem trazer prejuízos financeiros gravíssimos ou trazer até mesmo risco físico à integridade. E, claro, sempre há a possibilidade de governos opressivos pelo mundo se aproveitarem da existência dessa vulnerabilidade para espionar cidadãos.

Segurança Facebook criptografia cibercrime Crime crime cibernético
Compartilhe com seus seguidores
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você