mark zuckerberg

Co-fundador do Facebook diz que a empresa se tornou 'grande demais' e precisa ser fragmentada

Redação Olhar Digital 09/05/2019 20h00
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Chris Hughes, que deixou a empresa em 2007, alerta para o perigo do monopólio das redes sociais: "Assumo a responsabilidade de não acionar o alarme mais cedo"

Mark Zuckerberg prometeu, recentemente, medidas mais fortes na proteção de privacidade nas suas redes sociais, sendo a introdução da criptografia no Messenger um desses esforços. No entanto, esses anúncios parecem não ter iludido o co-fundador do Facebook, Chris Hughes, que reforça que a companhia se transformou em um verdadeiro monopólio e que o seu CEO possui um poder inabalável.


Nesta quinta-feira, 9, em um artigo publicado no New York Times, Hughes pediu pela fragmentação do Facebook. Ele afirma estar com medo de que Zuckerberg tenha se cercado de uma equipe que não o desafia, o que transfere ao governo o dever de refrear seu “poder inquestionável” e mantê-lo na linha. Além de controlar o Facebook, o Instagram e o WhatsApp, Zuckerberg detém 60% da parcela dos votos na diretoria da empresa, de acordo com Hughes.

"Somos uma nação com uma tradição de regulamentar os monopólios, não importa o quanto os líderes dessas empresas sejam bem-intencionados. O poder de Mark é inédito e antiamericano", escreve Hughes ao NYT.

Em comunicado via email, o Facebook se defende. “O Facebook entende que com o sucesso vem responsabilidade. Mas você não impõe essa responsabilidade exigindo a cisão de uma empresa americana bem-sucedida. A responsabilidade das empresas de tecnologia só pode ser alcançada por meio da introdução diligente de novas regulações para a internet. Isso é exatamente o que Mark Zuckerberg tem pedido. Aliás, ele está se reunindo com líderes do governo nesta semana para dar continuidade a esse trabalho.”, diz Nick Clegg, vice-presidente de Global Affairs e Comunicações do Facebook.

Hughes alerta: ou agora, ou nunca mais

Para Hughes, a Comissão Federal de Comércio (FTC) cometeu um grande erro ao deixar o Facebook adquirir o Instagram e o WhatsApp – e agora o tempo está se esgotando para resolver isso de uma forma mais fácil. O co-fundador explica: "Até recentemente, o WhatsApp e o Instagram eram administrados como plataformas independentes dentro da empresa-mãe, o que facilitaria o processo. Mas o tempo é precioso: o Facebook está trabalhando rapidamente para integrar os três, o que tornaria mais difícil para a FTC dividi-los."

Mesmo com uma fragmentação, além do Facebook ainda se manter lucrativo, o problema não estaria perto de ser resolvido, de acordo com Hughes. Para ele, que deixou o Facebook em 2007, é necessário que uma nova agência assegure que as empresas de tecnologia protejam a privacidade dos usuários e criem diretrizes para discursos aceitáveis nas redes sociais. E mesmo que essa fragemtação não seja bem-sucedida, pressionar por mais supervisão já seria uma boa medida.

Fonte: Cnet

Facebook privacidade instagram Whatsapp Mark Zuckerberg
Compartilhe com seus seguidores
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você